eu to implorando por respeito

meu maior medo, desde a adolescência, é ser estuprada.

hoje passei o dia atendendo mulheres. mulheres entre 15 e 60 e tantos anos. trabalho com mulheres desde que comecei a clinicar. estudo sobre isso, fiz meu TCC sobre violência de gênero e não à toa ele foi intitulado “a (in)visibilidade da violência contra a mulher”. até hoje questiono sua visibilidade.

hoje lembrei que, no dia que meu TCC tomou corpo, tomou corpo também a notícia que uma adolescente de 16 anos tinha sido estuprada por 33 homens. 26 de maio de 2016. naquele dia todas as mulheres ao meu redor perderam um pouco o chão, todas tiveram medo da invasão. também lembrei que durante os 4 primeiros meses de quarentena, os casos de feminicídio cresceram 22%.

ontem, 3 de novembro de 2020, li pela primeira vez o termo “ESTUPRO CULPOSO” e senti um chute no estômago vendo o vídeo da audiência do caso. “eu to implorando por respeito”, disse Mariana Ferrer sendo humilhada por um advogado escroto que tentava usar suas fotos como… fotos como justificativa para que? pra merecer um estupro? lembrei da famosa frase do atual presidente do Brasil tempos atrás.

uma foto não é um convite. um corpo nu não é um convite.

algo sobre ser mulher sempre gritou em mim de um jeito confuso e, há anos, tenho trabalhado para que possa gritar bonito e forte, potente. mas algo sobre as invasões que sofri por ser mulher sempre me causou desconforto. invasões sobre definições de valores, (im)possibilidades, beleza e culpabilizações que passaram pela sociedade e chegaram até mim desde cedo. meu valor determinado pelo meu hímen, atenção à como me sento, como me porto, roupas que uso, com quem ando, horários que saio, lugares que frequento, o que/quanto bebo, palavrões que não deveria falar, número de pessoas com quem transo, meu valor determinado por…? não faço questão de ser a mulher bonita e direita, hoje só faço questão de ser.

sou dona do meu corpo. honro corpo como lar. na minha casa só entra quem e quando eu quero. honro meus desejos e vontades. tenho me curado em vários âmbitos. tenho me cercado de mulheres fodas, tenho honrado minhas ancestrais, tenho me conectado com femininos que não competem, somam. tenho sido cada vez mais atenta, empática. tenho me honrado e tentado, cada vez mais, trabalhar pra que outras mulheres se conectem, assumam seus lugares, desejos, se honrem, se permitam viver, se permitam ser.

tenho me cercado de homens fodas também, mas recentemente tenho atentado mais e mais para a importância do masculino nesse processo. como ainda são poucos os homens que acessam de fato suas potências, afetos, vulnerabilidades, capacidades de acolher, cuidar e somar. e o quanto esses movimentos masculinos e femininos se interferem mutuamente. os últimos tempos só tem me confirmado que isso não é questão de gênero, é questão de humanidade.

“todo mundo tem direito a vida, todo mundo tem direito igual” Lenine tá cantando aqui no fone enquanto escrevo. só consigo me perguntar… será?

como Mariana, eu também to implorando por respeito.

através do espelho

há um mês a gente se encontra todos os dias. encontros reais, sem pressa. tomamos café na cama juntas quase sempre, mas vez ou outra dou preferência a um livro ou podcast como companhia. a gente tem se conhecido melhor – reconhecido – e tem sido interessante. ela me repreende, mas me acolhe. me julga por aquela mensagem, mas entende que era falta, saudade, não carência. temos discussões bobas e existenciais.

ela sabe fazer as críticas que realmente doem, mas vez ou outra faz uns elogios legais. ela é chata pra caralho, mas não reclama de estar trancada em casa, ri da minha cara felizinha quando digo que to cozinhando umas coisas bem boas, me olha com carinho nos dias difíceis, briga comigo na tpm e diz que to insuportável, mas me faz uma boa massagem nas pernas pra relaxar. valida minhas rugas, estrias, celulites, pêlos, vontades, desejos, impulsos, me manda embora da cama em dias bonitos e diz que tudo bem ficar o dia inteiro embaixo do edredom quando o céu tá cinza, desde que eu levante pra pegar comida. limites. concordamos.
ela diz que eu devia usar aquele vestido bonito pra trabalhar em casa mesmo, dança comigo e me deixa dançar sozinha. ela entende. quase sempre.

às vezes ela não quer falar comigo, quer distância, não suporta ouvir minha voz, não aguenta meus ciclos, meus quereres, minhas repetições, minhas intensidades. às vezes ela me enlouquece, mas me acompanha num chá quando to mal, divide meias garrafas de vinho, cervejas no almoço de domingo, prepara gin tônica com limão siciliano do jeito que eu gosto, me lembra daquela música felizinha pra dançar na cozinha e daquela música pra abraçar a alma enquanto abraço o travesseiro. entende quando eu preciso ficar quieta, em silêncio. sozinha. só.

ela me chama de ridícula e ri comigo da vida. me diz quando o céu tá bonito, me lembra de olhar a lua e de correr pra pegar aquele raiozinho de sol no meio da manhã. rimos lembrando que meses atrás fugi pro meio do mato num isolamento voluntário… e já estou pensando em repetir quando o isolamento obrigatório passar. vemos fotos juntas, sentimos saudades juntas, choramos juntas também.
é massa perceber que ela é, sim, a melhor companhia que eu podia ter nessa quarentena… e em todas as outras situações da vida. tem sido dias de olhos nos olhos, observando detalhes, sensações. nossos reencontros tem sido bonitos.

há um mês me olho no espelho todos os dias e, às vezes, me vejo.

fitó

Toda quarta-feira almoço com umas amigas do trabalho. Como adoro tirar foto de comida (não só de comida, mas, né?! foco no assunto), sempre falamos em criar um perfil no instagram pra registrar esses almoços. Mas daí que, ainda sem paciência/tempo/vontade para organizar mais um perfil no ig (já são 4. socorro!), resolvi postar as fotos nos meus stories (@juregis, eu mesma) e deixar tudo registrado bonitinho por aqui. Nada como comida pra me fazer voltar a postar, né?! :B

Hoje fomos no fitó, que fica em Pinheiros, na Cardeal Arcoverde, 2773, pertinho do metrô Faria Lima. O restaurante é feito só por mulheres e elas descrevem a cozinha como “brasileira, sensorial e afetiva”, eu descrevo como nordestina mesmo. Morri de amores porque teve queijo coalho e carne de sol de verdade no meu almoço. ❤

Rola uma mini-saladinha de entrada que é delis.

Como prato principal pedi o Paçoca, carne de sol da casa com farinha de mandioca e manteiga de garrafa, servida com baião de dois, uma saladinha de banana da terra e o queijo coalho (R$39). Pra beber fui de Sossega Lampião, mistura de maracujá, mel de camomila e água com gás (R$7).

O prato tava delis, muito, mesmo, e a bebida bem levinha.

As meninas pediram o prato do dia, Costelinha de porco (R$32) e teve um Cupuaçu Soda pra acompanhar, refresco feito com cupuaçu, xarope de açúcar e água com gás (gostoso e bem docinho). Como não sou fã de carne de porco (com exceção de bacon. we ❤ bacon), não provei a costelinha. Só posso dizer que minha Paçoca tava mais bonita e tava bem bem boa.

Não rolou sobremesa, mas rolou essa bolachinha com geléia (que a gente acha que é de banana com côco) que acompanha o café. Todo mundo encerrou o almoço com um cafézinho (R$5) expresso e moído na hora (certíssimas).

gostei do fitó? gostei. voltaria? voltarei pra comer a carne de sol porque sim.

sentido

eu não sei como tudo isso começou. e não importa quanto tempo passe, grande parte dele, não encontro o sentido. mas vivo, mas sinto. eu sinto o efeito do afeto. eu sinto a falta do afeto. eu sinto as cores se misturando, eu sinto tudo crescendo, tudo mudando. tudo gritando. tudo calando. eu sinto tanto.

você cresceu em mim de um jeito inimaginável. você é minha maior ambivalência. às 17h eu quero viver em você, às 23h eu não consigo mais. quero fugir, voltar, mudar de direção, quero viver calmaria, respirar maresia… e você, você me faz sentir extremos, tanto, muito, sempre, intenso. você me traz paz. você me tira a paz. eu decidi viver você com a cara e a coragem. coragem que eu nem sei de onde tirei. até hoje, não sei. já são tantas memórias contigo que me pego rindo, sozinha, na madrugada de uma segunda. me pego chorando, sozinha, na madrugada de uma segunda. fecho os olhos e te vejo com clareza, beleza, carinho… com afeto. você me afeta. mas é mais uma madrugada que a garrafa de vinho é só minha e a taça segue solitária na janela.

você é. mas talvez…

Restrospectiva 2015

Que título brega. Eu sei, mas não consegui pensar em nada melhor.

Acontece que o ano foi acabando, acabando… quando vi: 31 de dezembro e eu não fiz nada do que normalmente faço antes de terminar um ano. Jogar papéis fora? Não. Arrumar o quarto? Não. Planejamento para o ano que vai chegar? Não. Comprar roupa pra virada? Não. Post pro blog? Não. Podem perguntar qualquer coisa, é quase certo que a resposta será não.

Daí fui fazer uma retrospectiva mental de 2015, porque até então eu estava esculhambando muito esse ano e, coitado, ele não merece.

2015 começou com muita chuva, me fazendo adiar o mergulho que é lei todo dia 1º de janeiro. Acho que a praia só me viu lá pelo dia 3, mas teve mergulho pra lavar até a alma. Em seguida peguei o primeiro avião com destino à felicidade: fui pra São Paulo ver Foo Fighters. Eu posso acabar esse post aqui, porque esse show já valeu a vida, mas não, teve mais.

Em 2015 eu comecei a atender como estagiária de Psicologia, consegui definir o tema do meu TCC e fazer o projeto sem grandes problemas, voltei pra análise, fui pra congressos apresentar pesquisas, conheci Campina Grande (só pra dizer que conheci algum lugar novo), voltei em SP, quis ficar lá pra sempre e morri de frio (não estou reclamando).

Comecei 2015 ganhando vários kgs, mas os perdi durante o ano e acabei no 0x0 com a balança. Comi muita gordice, tomei muitos cafés, tive companhias maravilhosas, troquei muitos abraços, lembro de muitos risos e poucas lágrimas. Dancei, apresentei meu primeiro solo, parei de dançar (insira aqui as lágrimas), me matriculei na academia (pode acreditar), trouxe novas plantinhas pra casa, tomei boas cervejas, vi séries e li livros, claro.

Em 2015, eu, a Kaka, a Lola e a Bru, criamos o grupo Discípulas de Carrie, que hoje está repleto de gente linda. ❤

Então vamos ao que eu realmente queria contar pra vocês (esse post vai ficar imenso, desculpa). Esse ano comecei 10 séries novas, mas só amei cinco.
IMG_4841

How to get away with murder, Jessica Jones, Sense8, Orphan Black e Penny Dreadful ganharam meu coração. Mesmo. Orphan Black e Penny Dreadful ainda estão sendo assistidas (calma lá, o dia só tem 24h), mas já têm um lugarzinho especial pra chamar de seu no meu coração.

Também comecei Gossip Girl, Orange is the new black, Breaking Bad, Sherlock e Vikings. Mas nenhuma delas ganhou meu amor verdadeiro (ainda). Vamos ver se elas conseguem mudar isso no ano que vem (sim, vai rolar uma segunda chance).

Melhor série vista esse ano? Gilmore Girls. Resolvi rever a série e morri de amor. Dentre as novas, How to get away with murder.

Agora vamos aos livros. Estabeleci a meta de 20 livros pra 2015 e foi uma das únicas metas que consegui cumprir, na verdade, passar. Foram 31.

Comecei o ano com Alta Fidelidade e estou terminando com Paixão Crônica da Martha Medeiros. Dentre tantos livros que adorei, os que mais me prenderam/marcaram foram esses aqui:

IMG_4860

Melhor livro lido em 2015? Arrisco dizer que foi A verdade sobre o caso Harry Quebert, com medo de estar desmerecendo alguma outra leitura incrível. Sério, foram muitos livros bons.

Já tenho vários livros novos na estante me esperando, mas isso vai ser assunto para outro post. Ano que vem.

E aí acabou. Acabou o ano, acabaram as frustrações por tudo que não deu certo, acabaram as expectativas, e ficou só gratidão por tudo que foi lindo e o desejo que a gente possa respirar fundo e manter nossa fé no mundo e nas pessoas, pra fazer de 2016 um ano lindo.

Obrigada a todos vocês que passam por aqui e feliz ano novo, pessoas! Desejo pra vocês um ano cheio de gente querida, de abraços sinceros, de amores, afetos, olhos brilhando e leveza pra alma. O resto a gente dá um jeito. (;

apareci

Desapareci porque o fim do período foi intenso. Desapareci porque estava escrevendo tanto sobre psicologia, que não queria escrever mais nada.

Desde a última vez que passei por aqui:

1. Criei um projeto no instagram (inspirada na Lola) chamado #27paraos27. Se não está claro, faço 27 anos (dia 28 de dezembro) e resolvi registrar os acontecimentos dos 27 dias que precedem essa data maravilhosa.

2. Comi muita gordice (tudo registrado pelo projeto que falei no item 1). 
3. Trouxe alguns novatos pra casa e resolvi relembrar meu amor por Foo Fighters (enquanto fazia uma super faxina).

 
4. Tentei deixar as leituras não acadêmicas em dia, eu e meu café. 5. Fiquei de férias o/

6. Assisti Jessica Jones e estava devorando Orphan Black.

7. Comprei meu ingresso pra pré-estréia de Star Wars. 😀

8. Meu computador quebrou (muitas lágrimas) e esse deve ser o primeiro post que faço pelo celular.

Se eu sumir de novo, o item 8 explica (essa coisa de fazer post pelo celular é estranha), mas não pretendo desaparecer porque:
1. preciso vir contar quem me tirou no amigo secreto das Discípulas de Carrie;
2. Dia 18 vou precisar contar pro mundo o que achei do novo Star Wars.

ainda tem post antes do Natal, nem que eu venha só lamentar a morte do meu pc e desejar boas festas pra vocês, tá?! *;

Blog Day 2015

Como vocês devem saber, dia 31 de agosto é o Dia Internacional do Blog. Como a vida anda corrida e eu mal tenho aparecido por aqui, ia pular as indicações desse ano, mas, mas, mas… mudei de ideia e passei por aqui rapidinho pra contar quais são meus blogs preferidos.

Minhas três indicações foram escolhidas pelos mesmos motivos. Conheci o Eu Suspiro a partir de um comentário da Kaka aqui no CLBS. O Chez B e o Lola’s Town (que na época era o Minha Vida em SP) conheci a partir de comentários delas no Eu Suspiro. Comecei a ler os três blogs na mesma época e adorei os três. Com estilos um tanto diferentes, as bonitas escrevem super bem, daquele jeitinho próximo que faz você se sentir em casa, ir sentando e pegando uma xícara de café pra continuar a conversa (no caso, deixando um comentário e passando pro próximo post).

Nós quatro acabamos por criar um grupo chamado Blogueiras e o Carteiro, com a ideia inicial de fazermos troca de correspondência. O que a gente não sabia era que dali iria surgir uma enorme amizade e, desde então, não houve um dia em que não nos falássemos. Hoje nós já temos dois mascotes, o Toy e a Lupi (cachorros da Bru e da Kaka) e uma quinta integrante, a Lelê, filha da Lola, de quem me sinto tia. A partir desse grupo, criamos outro, Discípulas de Carrie, que tem crescido e nos dado a chance de conhecer várias outras blogueiras incríveis.

Então, por terem blogs maravilhosos, bem escritos, com conteúdo de qualidade e, mais do que isso, por terem sido os presentes que a blogsfera meu deu pra vida, minhas indicações no Blog Day 2015 são minhas três blogueiras preferidas no mundo todo:

bru
Bru Aguiar do Chez B

Kaka
Kaka Farias do Eu Suspiro

Lola
Lola Farias do Lola’s Town

1 ano de CLBS

Hoje o como livros, bebo séries comemora um ano de existência. Há um ano fiz o primeiro post, no começo das férias da faculdade, querendo ter com quem conversar e trocar figurinhas sobre livros e séries, sem muita certeza se o blog sobreviveria ao pós-férias. Três férias depois, continuamos aqui e eu to muito feliz com os frutos que o CLBS me rendeu. Ainda não estamos naquela fase de “o blog é meu, mas quem ganha o presente é você” (calma, vamos ver o que acontece nos próximos capítulos), então hoje eu queria pedir de presente de um ano de blog (por favor, por favorzinho), que vocês respondessem essa pesquisa, pra que eu possa ter um pouco mais de noção de quem acessa o blog, do que vocês querem ver, se eu to fazendo a coisa certa e o que pode ser melhorado. Agradeço desde já e aviso que em breve teremos novidades por aqui (sem spoilers, claro).

Pra responder, é só clicar aqui.

Obrigada! 😉

Pipoca #3

Os últimos filmes foram: Cinderella e Vingadores: Era de Ultron.

Cinderella
Sinopse: Após a trágica e inesperada morte do seu pai, Ella fica à mercê da sua terrível madrasta, Lady Tremaine, e suas filhas Anastasia e Drisella. A jovem ganha o apelido de Cinderella e é obrigada a trabalhar como empregada na sua própria casa, mas continua otimista com a vida. Passeando na floresta, ela se encanta por um corajoso estranho, sem desconfiar que ele é o príncipe do castelo. Cinderella recebe um convite para o grande baile e acredita que pode voltar a encontrar sua alma gêmea, mas seus planos vão por água abaixo quando a madrasta má rasga seu vestido. Agora, será preciso uma fada madrinha para mudar o seu destino.

minha cena preferida.

A verdade é que, não me perguntem por que, eu esperava mais. Acho que gostava TANTO de Cinderella quando era criança que queria algo que me deixasse tão encantada quanto e… não rolou. O filme é legal, temos um Stark (GOT lovers), a fada madrinha não vai embora sem o “bippity boppity boo” (o que somou muitos pontos para o filme), a direção de arte e a fotografia são lindas, mas achei que a escolha da atriz foi errada. É um filme legal, mas ficou longe do esperado e eu até dei um ou dois bocejos dentro do cinema.
♥♥♥

Vingadores: Era de Ultron
Sinopse: Quando Tony Stark tenta reiniciar um programa de manutenção de paz, as coisas não dão certo e os super-heróis mais poderosos da Terra, incluindo Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro, terão que passar no teste definitivo para salvar o planeta. Com o aparecimento do vilão Ultron, a equipe dos Vingadores tem a missão de neutralizar seus terríveis planos. Alianças complicadas e ação inesperada marcam o caminho para uma aventura épica global.

Demais! Achei o filme fantástico, bem bolado e extremamente engraçado. Foi além de todas as minhas expectativas e fica no meu “melhores do ano” fácil, só não digo que vai ser O melhor porque Minions estréia em breve. A única parte ruim é que a sequência – confirmadíssima -, vai demorar três longos anos pra sair.
♥♥♥♥♥

100 perguntas que ninguém pergunta

Vi essa TAG em vídeo em alguns blogs e achei bem legal. Como eu não tenho muito talento para ficar falando com a câmera e detesto ouvir minha voz em vídeos, resolvi que ia responder por escrito mesmo. A TAG é gigantesca, como o próprio nome já diz, são 100 perguntas, então vou tentar ser uma pessoa controlada que responde as coisas de forma sucinta.

1: Você dorme com as portas do seu armário abertas ou fechadas?
Fechadas.

2: Você leva embora os shampoos e condicionadores dos hotéis?
Não.

3: Você dorme com seu edredom dobrado pra dentro ou pra fora?
Alguém dobra pra dentro?

4: Você já roubou uma placa de rua?
Não.

5: Você gosta de usar post-it?
ALOKA do post-it. Uso pra tudo.

6: Você corta cupons, mas depois nunca usa?
Se for daqueles que vem com a linha pontilhada pra destacar, sempre.

7: Você prefere ser atacado por um urso ou um enxame de abelhas?
Um urso, claro.

8: Você tem sardas?
Tinha quando nasci, não mais.

9: Você sempre sorri para fotos?
Raramente. Eu sempre saio com cara de bolacha quando tento sorrir pra foto :~

10: Qual é a sua maior neura?
Acho que não tenho nenhuma neura gigantesca, mas as maiores devem ser coisas típicas de mulher.

11: Você já contou seus passos enquanto você andava?
Quem nunca?

12: Você já fez xixi na floresta?
Não que eu lembre.

13: E quanto fazer cocô na floresta?
Não.

14: Você dança, mesmo se não tiver música?
Sempre há música. Minha rádio mental funciona 24h por dia.

15: Você mastiga suas canetas e lápis?
Nops.

16: Com quantas pessoas você já dormiu essa semana?
Uma.

17: Qual é o tamanho da sua cama?
Queen.

18: Qual é a música da semana?
Primeiro Andar ❤

19: O que você acha de homens que usam rosa?
Que eles gostam de rosa.

20: Você ainda assiste desenhos animados?
Óbvio.

21: Qual é o filme que você menos gosta?
Acho que tem mais de um, mas lembro que detestei Garota Infernal. Quando o filme acabou tive certeza que foram as duas horas menos produtivas da minha vida.

22: Onde você enterraria um tesouro escondido, se você tivesse algum?
Que tipo de pessoa conta onde esconde o tesouro?

23: O que você bebe com o jantar?
Suco? Água? Nada? Depende.

24: No que você mergulha um nugget de frango?
Não sou muito fã de nugget.

25: Qual é a sua comida favorita?
Pizza.

26: Quais filmes você poderia assistir várias vezes e continuar amando?
Vamos aos que eu já assisti tantas vezes que perdi a conta: Brilho eterno de uma mente sem lembranças, O fabuloso destino de Amélie Poulain e Reflections of a skyline.

27: Última pessoa que você beijou/beijou você?
Bruno.

28: Alguma vez você já foi escoteiro(a)?
Jáááááááá (e tinha esquecido disso).

29: Você posaria nua em uma revista?
Não.

30: Quando foi a última vez que você escreveu uma carta para alguém no papel?
Hoje.

31: Você pode trocar o óleo de um carro?
Se alguém me ensinar, com certeza.

32: Já obteve uma multa?
Não.

33: Alguma vez ficou sem gasolina?
Não. Sou totalmente neurótica com isso e corro pro posto se o carro entrar na reserva.

34: Tipo favorito de sanduíche?
Com muito queijo.

35: A melhor coisa para comer no café da manhã?
Sanduíche de queijo e suco de laranja.

36: Qual é a sua hora de dormir?
Normalmente entre 0h e 1h, mas é bem comum passar disso.

37: Você é preguiçoso?
Estou sempre com sono. É a mesma coisa? 

38: Quando você era criança, o que você vestia para o Dia das Bruxas?
Preto.

39: Qual é o seu signo astrológico chinês?
Dragão.

40: Quantos idiomas você fala?
Se somar o português + o pouco de inglês + o pouco de francês, somam dois?

41: Você tem alguma assinatura de revista?
Nops.

42: Quais são melhores, Lego ou Logs Lincoln?
Lego. O que seria Logs Lincoln?

43: Você é teimoso(a)?
Aham.

44: Quem é melhor … Faustão ou Silvio Santos?
Entre os dois, eu desligo a TV. Se precisar mesmo escolher, Silvio.

45: Já assistiu alguma novela?
AlgumaS e quero deixar registrado que A Usurpadora nunca será superada.

46: Você tem medo de altura?
Não.

47: Você canta no carro?
Como se não houvesse amanhã.

48: Você canta no chuveiro?
Sim sim.

49: Você dança no carro?
Aham.

50: Alguma vez usou uma arma?
Lutava com meu irmão quando era criança e usava uma espada ninja de plástico. Conta?

51: A última vez que você teve um retrato tirado por um fotógrafo?
Não lembro.

52: Você acha que os musicais são legais?
Muito!

53: Natal é estressante?
Só se tiver que entrar no shopping.

54: Nunca comeu um Pierogi?
Pier… o que?

55: Tipo favorito de torta?
Tenho uma favorita em cada lugar. Normalmente elas envolvem limão, morango, maracujá e/ou chocolate.

56: O que você queria ser quando era criança?
Chiquitita ou Spice Girl.

57: Você acredita em fantasmas?
Sim.

58: Já teve um sentimento de Deja-vu?
Várias vezes.

59: Toma uma vitamina diária?
No momento, vitamina D.

60: Usa chinelos?
Só se não puder ficar descalça.

61: Usa um roupão de banho?
Não.

62: O que você usa para a cama?
Oi? Lençol?

63: Primeiro show?
Sandy e Júnior, nessa época.

64: Wal-Mart, Target e Kmart?
Wal-Mart por falta de conhecimento das demais.

65: Nike ou Adidas?
All Star.

66: Cheetos ou Fritos?
Por fritos entendo comida frita, então fritos. De preferência pastel de queijo.

67: Os amendoins ou sementes de girassol?
Amendoiiiiiiiiins.

68: Já ouviu falar do grupo de Tres Bien?
Nops.

69: Já teve aulas de dança?
Sempre.

70: Existe uma profissão que você imagine fazer no seu futuro?
Pode ser aquele trabalho na Netflix em que recebo pra ver série ou apresentar um programa daqueles do Multishow viajando o mundo inteiro.

71: Você consegue enrolar sua língua?
Sim.

72: Já ganhou um concurso de soletração?
Nunca participei.

73: Você já chorou porque você estava feliz?
Muito.

74: Possui algum disco de vinil?
Uns 400, aproximadamente.

75: E uma vitrola?
Pra que eu teria essa quantidade de vinil se não tivesse uma vitrola, gente?

76: Você utiliza incenso regularmente?
Já usei mais.

77: Já se apaixonou?
Já.

78: Quem você gostaria de ver em um show?
Pode ser Foo Fighters de novo (e de novo, e de novo, e de novo)?

79: Qual foi o último show que você viu?
Foo Fighters ❤

80: chá quente ou chá frio?
Frio.

81: Chá ou café?
Café.

82: Açúcar ou adoçante?
Açúcar.

83: Você sabe nadar bem?
Não, nem andar de bicicleta.

84: Você consegue prender a respiração sem segurar seu nariz?
Sim.

85: Você é paciente?
Depende do referencial, mas acredito que sim. Sei contar até números bem grandes.

86: DJ ou banda, em um casamento?
Banda ou os dois.

87: Já ganhou um concurso?
Já.

88: Já fez alguma cirurgia plástica?
Não.

89: Quais são as melhores azeitonas, pretas ou verdes?
Verdes.

90: Você faz tricô ou crochê?
Fazia ponto de cruz quando era criança, mas acho que não lembro mais.

91: O melhor lugar para uma lareira?
No frio.

92: Você já viajou pra fora do seu país?
Nops.

93: Que lugares pretende conhecer?
Todos.

94: Qual era a sua matéria preferida no Ensino Médio?
Português, acho.

95: Você esperneia até conseguir as coisas do seu jeito?
26 anos na cara, gente. Não dá pra ficar esperneando, né?

96: Você tem filhos?
Não.

97: Você quer ter filhos?
Um dia.

98: Qual é sua cor favorita?
Preto.

99: Você sente falta de alguma coisa da sua infância?
O tempo que sobrava e a ausência de grandes responsabilidades.

100: Você inventa. 
Não.

Alguém conseguiu ler tudo? Gente, no vídeo parecia ser bem mais rápido, provavelmente por ser mais dinâmico. Se você conseguiu ler até aqui, acho que você devia responder a tag também, falando ou escrevendo. 😉