Canções de apartamento

Conheci Cícero na aula de dança e vou dizer, foi amor a primeira nota. Fui ouvindo, me apaixonando e pedindo pro Shazam me contar que coisa linda era aquela. Foi assim que descobri o disco Canções de Apartamento, a trilha sonora de hoje.

Eu tenho três músicas preferidas nesse disco: Açúcar ou adoçante, Ensaio sobre ela e Pelo Interfone, mas além das minhas queridinhas, escuto o cd todo sem pular nenhuma, porque é muitamô junto num disco só. Tempos atrás, na época que o twitter bombava, eu tinha uma série de posts que chamava de “carinho pros ouvidos“, se eu ainda fosse moça do twitter, certeza que essas músicas já teriam aparecido por lá. É muito carinho, gente.

Dá o play e relaxa que hoje é sábado. =*

7 músicas para cantar no Karaokê

Estamos aqui reunidos para mais um post coletivo sugerido pelo Rotaroots: 7 músicas que você ama cantar no karaokê. Eu pensei MUITO pra elaborar esse post e ainda não estou satisfeita com ele, mas como a semana de provas tá aí… não vai dar mais pra pensar em músicas e karaokê (que pena, que pena amor).
Primeiro é importante dizer, aqui em João Pessoa tem um local chamado Forno Quente, conhecido como Karaokê da Lagoa. Eu sonho em conhecer esse karaokê há mais tempo do que posso lembrar, mas nunca rolou. Minhas idas sempre foram vetadas ou trolladas e bem… depois de fazer esse post, decidi: eu vou! Quando essas provas derem adeus e forem para o limbo, eu vou tomar umas boas cervejas e vou cantar (pelo menos) uma dessas sete músicas no Karaokê da Lagoa. Podem esperar o post contando essa experiência.

Depois do meu blábláblá, vamos para as sete escolhidas.

Eu poderia ter começado com a música de Raça Negra que coloquei aí em cima, mas não. Só lembrei dela enquanto estava escrevendo o post e as minhas sete já haviam sido escolhidas. A minha primeira escolha é a que achei mais óbvia, mais clássica e mais conhecida.

1. Que se chama amor – SPC
Essa música é um clássico do karaokê e seria a primeira, porque eu não preciso soltar tanto a voz e ainda vou estar sóbria.
Importante: Se você lê o nome dessa música e na sua rádio mental não começa a tocar o refrão automaticamente, deve ter alguma coisa errada. Sério. Procure um médico.

2. Don’t Speak – No Doubt
Escolha difícil. Ainda vou estar sóbria e essa foi a música que mais cantei em toda a minha existência. Na adolescência dizia que era “minha música”, porque eu era dessas. Uma vida inteira cantando Don’t Speak não é pra qualquer um. Tem que ter!

3. I will survive – Glorya Gainor 
Poderia ser a versão de Cake, mas não é. Por que? Porque é proibido cantar música “cult” no karaokê. É proibido ser afinado também, mas vou falar sobre isso logo mais. Duas cervejas depois: I will survive.

4. Em plena lua de mel – Reginaldo Rossi
Pra mim karaokê é sinônimo de brega, de desanifação e de cerveja. Não podia faltar uma música do rei, né? Com o coração voando mais que avião, já vou estar feliz e vou me jogar na lua de mel.

5. Estoy Aquí – Shakira
Só quem vai arrasar nesse refrão sou eu, viu? Esperem e vejam toda minha falta de habilidade para cantar em espanhol na velocidade da luz.

6. I can’t live – Mariah Carey
Soltei a voz! Me joguei e já to num nível alcoólico que me faz jurar que canto bem, sou afinada e alcanço o tom de Mariah Carey. Só os fortes sobreviverão ao refrão. Quem tá comigo?

E aí que tá chegando a última música, eu já vou estar feliz, achando que sou a próxima Amy e não vou querer largar o microfone. Pensando nisso escolhi a última música.

7. Metal Contra as Nuvens – Legião Urbana
Para dar adeus ao microfone e ao meu palco, escolhi uma música pequena, com apenas 11 minutos e 27 segundos. Porque sou assim, péssima em despedidas. Metal contra as nuvens é uma música que eu adoro e que normalmente jamais cantaria num karaokê, exceto nessa situação, porque depois de pensar tanto nesse post, já estou apegada ao microfone e não quero mais largar.

Depois de tomar algumas cervejas e cantar 7 músicas, vou me despedindo por aqui. Por favor, contem quais seriam as sete escolhidas de vocês e aguardem cenas dos próximos capítulos. 😉

 

O Rotaroots é um grupo com objetivo de resgatar a época de ouro dos blogs pessoais, incentivando a produção de conteúdo criativo e autoral, sem ser clichê e principalmente, sem regras, blogando pela diversão e pelo amor.

Palisades Park

Você conhece Counting Crows? Se respondeu não, clique aqui e comprove que está errado. Caso esteja certo, meu querido, onde você viveu nos anos 90 que nunca ouviu Mr. Jones? (Estou acreditando que você é uma pessoa que viveu nos anos 90. Por favor, não me diga que você nasceu nos anos 2000, não faça eu me sentir uma idosa).

Agora que você lembra do Counting Crows (ou conhece), vamos a trilha sonora do dia:

Eu não ouvia falar deles há tempos, achei que era uma dessas bandas que tem um música que faz muito sucesso, depois desaparecem por toda a eternidade. Sempre que alguém perguntava “conhece Counting Crows?”, eu sempre respondia “Shalalalala-la hããn yeeeah. Mr Jones …”

Eis que essa semana o marido me vem com a notícia que o Counting Crows voltou a vida.
“Lembra do Counting Crows?”
“Aqueles do Shalalalala-la hããn yeeeah. Mr Jones …? Lembro sim.”
“Lançaram CD novo. A capa é bonita. Vou baixar.”
Nesse mesmo dia ele escuta a primeira música e me diz que é maravilhoso (até ouvir a segunda música e se corrigir dizendo que a primeira música é maravilhosa) e ontem ele me emprestou o fone megapower digievoluido dele, pra que eu conhecesse a tal música tão maravilhosa.

A maravilha da história é essa trilha sonora de hoje, essa coisa linda que mostrei pra vocês. De tudo, tudo mesmo, o que mais amei foi o começo com o piano e o trompete. Foi tanto amor que o resto todo ficou lindo. Quem sabe um dia, quando me falarem de Mr. Jones eu troque o “Shalalalala-la hããn yeeeah. Mr Jones…” por “Aquele piano e aquele trompete”. ❤

 

Call me Kat

Chegou sábado, chegou samba, suor e cerveja. SQN.

A trilha sonora dessa semana é uma das minhas músicas preferidas, mas que demorei quase um ano pra ser feliz e descobrir o nome da música e da banda.

A primeira vez que ouvi CallmeKat foi numa apresentação de dança. Apenas AMEI When should we go instantaneamente, mas naquela época eu não tinha o Shazam e só consegui ouvir a música novamente quase um ano depois, quando me dei ao trabalho de perguntar inocentemente “Gente, que banda é essa?”, pra poder ouvir a música no repeat freneticamente como se não houvesse amanhã.

Então caros leitores, não passem pela vida simplesmente, parem 5 minutos pra ouvir essa coisa linda!

Agora, depois de vivenciar o amor e a doçura em forma de música, minha “canção de ninar” (é ela que coloco pra tocar quando vou tentar dormir cheia de problemas na cabeça), saibam que ela tem outras músicas lindas, não tão lindas quanto essa, mas ainda assim, lindas. Por isso esse post vai ser especial e vai ter duas trilhas sonoras, pra que o final de semana de vocês seja lindo e feliz em dobro.

Dá o play e até segunda. =*

Sambinha bom

Mais um sábado, mais uma trilha sonora pro final de semana.

A pedida da vez é o Sambinha Bom, de Mallu Magalhães.

A primeira vez que ouvi Mallu não curti. Não gostei da voz, da música, do jeito dela, de nada. Então deixei pra lá e fiquei espantada quando soube que ela tava namorando o Marcelo Camelo. Como super-fã dos Hermanos que eu era na época, só conseguia pensar: Que diabos Camelo tá fazendo com essa pirralha com jeito de retardada?. Preconceitos à parte, a vida andou, eu mudei, Mallu mudou e eis que surge o Pitanga, provando que estamos as duas ficando Velhas e Loucas.

O álbum é lindo, todinho. Nele eu gosto da voz, da música, do jeito dela nos clipes, de tudo.

Então dá o play no Sambinha Bom com cara de sábado e depois pode deixar o Pitanga rolando, porque depois dele, Olha só, moreno, é tudo cheio de doçura e amor.

Bom fim de semana (;