como livros, de novo.

hoje lembrei porque criei esse blog – na época o como livros, bebo séries – uns anos atrás. estava lendo demais, vendo séries demais e sentia falta de ter com quem partilhar.

hoje em dia todo mundo faz essas partilhas nos stories do instagram, acho, mas me sinto meio estranha falando com a tela do meu celular, mesmo sabendo que uns amigos queridos sempre vão responder. ainda assim, acho estranho, me sinto tentando ser ~ digital influencer ~ (insira aqui uma carinha revirando os olhos) e… bem, me sinto mais à vontade sentando em frente ao computador e escrevendo. old school, maybe.

ontem terminei de ler O Conto da Aia. MINHANOSSASENHORA! que livro é aquele? ainda não vi a série – The Handmaid’s Tale, caso alguém não faça ideia de que livro eu to falando -, mas é a próxima (assim que eu conseguir dar uma folga em Grey’s Anatomy – cheguei na 9ª temporada agora -). O livro foi eita atrás de eita, doeu no coração, deu medo, de verdade. a gente tá passando por um momento político tão caótico, que eu ia lendo e pensando “isso é TÃO possível de se tornar realidade”. tenso. intenso.

paralelo aO Conto da Aia, tava numa vibe de ler poemas feministas. já falei e indiquei Rupi para todas as pessoas que conheço. li Outros jeitos de usar a boca TANTAS vezes que tenho metade do livro decorado. já postei quase todos os poemas nos stories, já fiz tanta gente comprar o livro que poderia pedir uma comissão na editora. quando The sun and her flowers chegou no Brasil, comprei também. meu inglês nem é tão bom, mas… rolou. não dava pra esperar. Rupi me dá um tiro atrás do outro. quando encontrei O que o sol faz com as flores, trouxe pra casa também. o problema desses livros é que eu devoro rápido demais. o “como livros” não surgiu à toa.

unitedwanbrownbear-max-1mb

no vício, corri na Cultura e trouxe A princesa salva a si mesma neste livro, que também é bem bom. li numa noite. segui lendo Amanda Lovelace, A bruxa não vai para a fogueira neste livro também é bem bom, mas um tanto mais agressivo que o primeiro. pra finalizar minha sequência de poemas, li Tudo nela brilha e queima, de Ryane Leão, que conheci pelo instagram. os poemas eu sigo relendo e relendo e relendo. sempre fazem sentir, sempre fazem sentido.

agora comecei Resistência, o livro com umas das capas mais lindas que já vi na vida. li o primeiro capítulo e… nossa! quero ver quando vou pegar um livro leve. a verdade é que com a mudança pra SP, meu ritmo de leitura deixou de existir. fiquei uns 3 meses sem ler quase nada. parece que agora o gosto e o ritmo estão voltando, amém. então, se você passar por aqui e tiver um livro legal pra me indicar, conta, por favor. especialmente se você curte poemas no estilo Rupi, to precisando mesmo de indicações.

https3a2f2fmashable-com2fwp-content2fgallery2fbook-lovers2fmatilda-reading

Anúncios

CosmoTAG: 5 personagens de livros para ser amiga

Em abril, o grupo Discípulas de Carrie lançou essa CosmoTAG, mas como estava ausente dessa vida, resolvi responder agora. Atrasada sim, mas quem se importa?

Todos os livros que realmente gosto contam com o fato de eu ter me envolvido emocionalmente com um ou mais personagens. Sempre tem um amor platônico, alguém pra quem preciso dizer umas verdades, alguém que quero socar a cara, puxar a orelha ou que quero abraçar e dizer “vem cá, migs”. É esse post é sobre essas últimas pessoinhas.

1. Eleanor
Quando fiz esse post falando sobre Eleanor & Park, falei que queria ser amiga da Eleanor. Queria mesmo. Queria dar um abraço nela e dizer que tudo ia ficar bem. Sofri as dores dela, torci por ela e Park, e chorei até desidratar no final. Eleanor, miga, vem cá, senta aqui, vamos conversar.

2. Auggie
Extraordinário é um dos meus livros preferidos da vida e 90% disso é culpa do Auggie. Que personagem maravilhoso

3. Emma
Sim, claro, com certeza. Um dia também está na minha lista de queridinhos e se eu quis TANTO esculhambar Dexter, foi pela amizade que eu obviamente tinha com Emma. O tanto que eu chorei no final daquele livro, também tem uma relação óbvia com essa amizade.

4. Louisa Clark
Se alguém leu Como eu era antes de você e não terminou miga da Lou, precisa rever isso aí. Eu já a adorava no livro, depois do filme então… amiga pra vida toda. Até hoje não superei aquele final, não aceitei nada do que aconteceu e vou passar o resto da vida esperando um final diferente, mesmo depois de ler Depois de você. Lou, miga, vamos conversar ali em Paris.

5. Laurel
Em Cartas de amor aos mortos, assim como em Eleanor & Park, foi um apego tão forte que sofri junto, me apaixonei junto, detestei junto e, Laurel, senta aqui, comigo e com Eleanor, vamos conversar.

Quero saber os personagens que vocês gostariam de ser amigs também. Quem sabe não acho umas novas amizades literárias por indicação?!

13333013_1103241236365340_7159263438347960248_n

2 anos de CLBS

Voltei. Minha última aparição foi mais de quatro meses atrás, eu sei. Sou dessas que some e reaparece mesmo, desculpa. Mas, bem, tenho várias explicações. A primeira e mais importante: estava estudando loucamente. As demais envolvem os seguintes fatos: nesses meus quase 5 meses de sumiço eu fiz o 10º período de Psicologia, atendi meus pacientes, estudei feito doida, realizei uma pesquisa que virou meu TCC, defendi e fui aprovada com nota máxima. :B

Além disso, vi umas séries. To completamente viciada em The Blacklist (é a minha queridinha da vez), finalizei Penny Dreadful com muito sofrimento, to morrendo em dia com Game of Thrones, curtindo Orphan Black e atrasando Outlander, porque comecei a achar chatinha. yayomg-we-bare-bears-gif-computer

Vi uns filmes também. Gostei muito de Mogli e, de forma muito previsível, chorei com Como eu era antes de você. Li uns livros, poucos, mas li. Terminei Um mais um, depois passei pra Não se apega, não, seguido por A mágica da arrumação e agora estou na metade dO dia do Curinga.

Para fechar meu sumiço com chave de ouro, fui abraçada com fervor pela chikungunya e, ó, não desejo esse abraço pra ninguém.

Resumindo meu desaparecimento: me formei. Agora falta só colar grau pra ser oficialmente psicóloga. A última vez que sentei na frente desse computador pra escrever, foi pra finalizar meu TCC, então vejam bem a importância desse post.

Ah! Tem mais. Voltei pra dizer que não vou sumir de novo, pelo menos não automaticamente, e também pra contar que hoje o blog comemora 2 anos de existência. Grata aos que continuam por aqui. :*tumblr_inline_o28uplehek1twd82w_500

Lidos nas férias

Dizem que o ano só começa depois do carnaval, né? Besteira. Embora esse ano o carnaval tenha chegado beeeeem no comecinho de fevereiro, meu ano ainda começou antes dele. Dia 01 de fevereiro eu estava sentadinha estudando e dia 02 sentadinha assistindo aula. Mas antes de fevereiro chegar eu tive férias maravilhosas que renderam boas leituras. Vou dizer que esse ano eu me superei nas escolhas, viu? Não teve um livro mais ou menos, gostei muito de todas as minhas leituras de férias.

lidos 1

Comecei as férias com Maus, uma graphic novel onde Art Spiegelman narra a história do seu pai, um judeu que sobrevive ao Holocausto. As diferentes raças são representadas por diferentes animais. Os judeus são ratos, os alemães gatos e por aí vai. Bom, viu? O livro é grandinho, a história é densa, mas vale demais a leitura.

O segundo escolhido foi Como ser uma parisiense em qualquer lugar do mundo. Li algumas críticas negativas antes, mas gente, gostei. Não é o livro da vida, na verdade não é um livro para ser levado a sério. É um livro leve, divertido e rápido. Ótimo pra dar uma relaxada depois de Maus.

Em seguida peguei Paixão Crônica, meu primeiro contato com Martha Medeiros, presente da queridíssima Bru. O livro reúne crônicas publicadas durante toda a carreira da autora sobre amor, paixão, desejo, traição e separação. Maravilhoso! Pude comprovar tudo que a Bru já tinha me falado sobre a Martha.

Aí acabou dezembro. Dia 01 de janeiro comecei Mosquitolândia. Falei dele aqui.

O quinto livro das férias foi Morangos Mofados. Eu sempre li Caio Fernando Abreu por aí, mas eu nunca tinha parado para ler um livro do Caio. O livro é ótimo, mas o que me pegou mesmo foi a carta no final. Acho que tenho um fraco por cartas.

lidos2

Depois li Auggie & Eu, que foi tão lindo quanto eu esperava que fosse. Mas sobre ele eu também já falei aqui.

Aí me rendi a Jojo Moyes. Comecei com Como eu era antes de você. MELDELS! Não tenho palavras pra esse livro, só lágrimas. Também já falei sobre ele por aqui e agora preciso ir na livraria buscar Depois de você e me preparar emocionalmente para o filme.

Continuei com Jojo, dessa vez com A garota que você deixou pra trás. Bem bom também, mas não tanto quanto o primeiro. Se alguém ainda não leu Jojo, minha sugestão é que não comece com Como eu era antes de você, porque depois dele os outros são os outros e só…

Daí li A garota no trem. Comprei o livro porque o site da Amazon o relacionou com A verdade sobre o caso Harry Quebert, um dos melhores livros que já li. Embora não alcance A verdade sobre o caso Harry Quebert, A garota no trem é um livro muito bom, daqueles que prendem e surpreendem o leitor.

Daí já era 29 de janeiro e eu precisava dar adeus para minha desocupação e relaxar antes de voltar pra monografia. O décimo e último livro das férias foi A última carta de amor, também da Jojo Moyes. Gente, o que é essa mulher, hein?! Ok que o livro só me prendeu a partir das segunda parte, mas depois disso, praticamente comi o livro. Os finais dos livros da Jojo são sempre incríveis (mesmo aqueles que fazem a pessoa desidratar como foi em Como eu era antes de você).

Agora eu continuo com a Jojo. To lendo Um mais um, mas as férias já acabaram e esse vai ser assunto para outro post. Se quiser acompanhar o que eu ando lendo, eu to no skoob e sempre postando os livros terminados no instagram e no snapchat.

E vocês?  O que leram nessas férias? Sempre fico grata por boas indicações. (;

CosmoTag: 5 livros, séries e filmes pra 2016

Feliz 2016, pessoas! (;

Já vou começar o ano novo com CosmoTag, porque os temas de janeiro das Discípulas de Carrie estão demais! É super comum rolar um planejamento no final/começo do ano, mas nessa troca de 2015 pra 2016, não fiz nada, nadinha (como falei no último post), então vou fazer meu primeiro planejamento real para esse ano que chegou, que consiste em 5 livros que vou ler, 5 séries e 5 filmes que vou assistir.

Livros

1. Mosquitolândia
Ganhei Mosquitolândia de presente no meu aniversário e o livro me ganhou pela capa (pra variar). Em breve tem resenha dele por aqui.

2. Morangos Mofados
Depois de tanto ler pequenos trechos e textos de Caio Fernando Abreu, resolvi criar vergonha na cara e comprar um livro dele. Morangos Mofados tem uma capa linda (então, né?!), daquelas que te convidam pra leitura com uma xícara de café.

3. Auggie & Eu
Quem leu Extraordinário deve ter ficado tão louco quanto eu, ao saber que R. J. Palacio lançou um livro com três histórias paralelas a de Auggie. Assim que vi, trouxe pra casa e, bem, a resenha dele sai ainda esse mês.

4. A garota no trem
Tava fazendo uma feira no site da amazon e fiquei super curiosa com a história desse livro. Depois de ter colocado e tirado do carrinho 3 vezes, ele veio e tá ali na estante me esperando.

5. O dia do Curinga
Li O dia do Curinga na adolescência e adorei. Foi indicação de uma colega da escola – que me emprestou na época – e virou um dos meus livros preferidos. 10 anos depois, resolvi ter um pra chamar de meu e ver o efeito dele na minha versão adulta. Vai ter resenha sim. Quando? Não sei.IMG_5103

Filmes

1. Quem é você, Alasca?
Como não estar louca por esse filme depois de ler o livro?

2. Os 8 odiados
Porque é Tarantino.

3. Como eu era antes de você
Comecei o livro hoje e todo mundo fala muito bem da Jojo.

4. Alice através do espelho
Chapeleiro ❤

5. Star Wars: Episódio VIII
Me esperem na pré-estréia.

Séries

Enquanto escrevo, meu uTorrent está trabalhando nos primeiros episódios de:

1. My mad fat diary
Alguém postou uma cena dessa série no facebook e fiquei muito interessada no assunto. Virou torrent.

2. The Blacklist
Metade das pessoas que eu conheço ficam falando que é sensacional e que eu preciso ver e que é muito boa… enfim, virou torrent também.

3. Downton Abbey
A Kaka e a Bru vivem falando sobre essa série no whatsapp e eu demorei, mas me rendi. Vai ter Downton Abbey sim.

4. Daredevil
Marvel, né? Que mais precisa ser dito?

5. House of Cards
Mesmo motivo do item 2. As pessoas precisam parar de me indicar séries. Sério, gente, como vou me formar assim? IMG_5104

E aí? Quais livros, filmes e séries vocês tão se prometendo pra 2016?11230605_925443270811805_1188031399676317210_o

Restrospectiva 2015

Que título brega. Eu sei, mas não consegui pensar em nada melhor.

Acontece que o ano foi acabando, acabando… quando vi: 31 de dezembro e eu não fiz nada do que normalmente faço antes de terminar um ano. Jogar papéis fora? Não. Arrumar o quarto? Não. Planejamento para o ano que vai chegar? Não. Comprar roupa pra virada? Não. Post pro blog? Não. Podem perguntar qualquer coisa, é quase certo que a resposta será não.

Daí fui fazer uma retrospectiva mental de 2015, porque até então eu estava esculhambando muito esse ano e, coitado, ele não merece.

2015 começou com muita chuva, me fazendo adiar o mergulho que é lei todo dia 1º de janeiro. Acho que a praia só me viu lá pelo dia 3, mas teve mergulho pra lavar até a alma. Em seguida peguei o primeiro avião com destino à felicidade: fui pra São Paulo ver Foo Fighters. Eu posso acabar esse post aqui, porque esse show já valeu a vida, mas não, teve mais.

Em 2015 eu comecei a atender como estagiária de Psicologia, consegui definir o tema do meu TCC e fazer o projeto sem grandes problemas, voltei pra análise, fui pra congressos apresentar pesquisas, conheci Campina Grande (só pra dizer que conheci algum lugar novo), voltei em SP, quis ficar lá pra sempre e morri de frio (não estou reclamando).

Comecei 2015 ganhando vários kgs, mas os perdi durante o ano e acabei no 0x0 com a balança. Comi muita gordice, tomei muitos cafés, tive companhias maravilhosas, troquei muitos abraços, lembro de muitos risos e poucas lágrimas. Dancei, apresentei meu primeiro solo, parei de dançar (insira aqui as lágrimas), me matriculei na academia (pode acreditar), trouxe novas plantinhas pra casa, tomei boas cervejas, vi séries e li livros, claro.

Em 2015, eu, a Kaka, a Lola e a Bru, criamos o grupo Discípulas de Carrie, que hoje está repleto de gente linda. ❤

Então vamos ao que eu realmente queria contar pra vocês (esse post vai ficar imenso, desculpa). Esse ano comecei 10 séries novas, mas só amei cinco.
IMG_4841

How to get away with murder, Jessica Jones, Sense8, Orphan Black e Penny Dreadful ganharam meu coração. Mesmo. Orphan Black e Penny Dreadful ainda estão sendo assistidas (calma lá, o dia só tem 24h), mas já têm um lugarzinho especial pra chamar de seu no meu coração.

Também comecei Gossip Girl, Orange is the new black, Breaking Bad, Sherlock e Vikings. Mas nenhuma delas ganhou meu amor verdadeiro (ainda). Vamos ver se elas conseguem mudar isso no ano que vem (sim, vai rolar uma segunda chance).

Melhor série vista esse ano? Gilmore Girls. Resolvi rever a série e morri de amor. Dentre as novas, How to get away with murder.

Agora vamos aos livros. Estabeleci a meta de 20 livros pra 2015 e foi uma das únicas metas que consegui cumprir, na verdade, passar. Foram 31.

Comecei o ano com Alta Fidelidade e estou terminando com Paixão Crônica da Martha Medeiros. Dentre tantos livros que adorei, os que mais me prenderam/marcaram foram esses aqui:

IMG_4860

Melhor livro lido em 2015? Arrisco dizer que foi A verdade sobre o caso Harry Quebert, com medo de estar desmerecendo alguma outra leitura incrível. Sério, foram muitos livros bons.

Já tenho vários livros novos na estante me esperando, mas isso vai ser assunto para outro post. Ano que vem.

E aí acabou. Acabou o ano, acabaram as frustrações por tudo que não deu certo, acabaram as expectativas, e ficou só gratidão por tudo que foi lindo e o desejo que a gente possa respirar fundo e manter nossa fé no mundo e nas pessoas, pra fazer de 2016 um ano lindo.

Obrigada a todos vocês que passam por aqui e feliz ano novo, pessoas! Desejo pra vocês um ano cheio de gente querida, de abraços sinceros, de amores, afetos, olhos brilhando e leveza pra alma. O resto a gente dá um jeito. (;

Morte Súbita

O livro começa com a Morte Súbita de Barry Fairbrother na pequena cidade de Pagford. Barry era uma figura conhecida, marido, pai de família, treinador da equipe feminina de remo da Escola Winterdown e parte do Conselho local. Amado por uns e odiado por outros, Barry morre no jantar do seu aniversário de casamento com Mary. A notícia de sua morte movimenta a cidade, alguns querem ser os primeiros a contar a novidade aos demais, muitos sofrem com o acontecido e outros comemoram a vacância de uma cadeira no Conselho. A partir disso é iniciada a disputa pela vaga deixada por Barry no Conselho. A cidade está um caos, pobres e ricos, pais e filhos, maridos e mulheres, há problemas por todos os lados, em todas as casas e relações.

IMG_0567Fiquei muito curiosa pra ler Morte Súbita assim que soube que tinha sido escrito por J.K. Rowling, autora de Harry Potter, mas desde o princípio não fazia ideia do que esperar. O livro é longo, são 501 páginas, e eu particularmente acho que poderiam cortar algumas. Acontece que são personagens demais, tramas demais, detalhes demais e terminou que não consegui me apegar de verdade e por isso só engatei na leitura nas últimas 100 páginas. Krystal, Gaia, Andrew e Bola ainda chamaram minha atenção algumas vezes, mas eram tantas estórias entrelaçadas que, não sei, acho que foi informação demais.

bolaO livro é ruim? De forma alguma! Ela escreve incrivelmente bem, suas descrições são ótimas, seus personagens são muito reais… e o livro é bom. Mesmo. O problema é que eu não consegui me envolver na leitura. Talvez eu não tenha conseguido me controlar e tenha esperado algo tão envolvente quanto Harry Potter e, bem, não é o caso.

Algumas amigas estão lendo/abandonaram e me perguntaram o que acho. Sinceramente, eu terminaria o livro. Sei que não sou referencial, já que só abandonei dois livros na vida e já prometi retomar as leituras – sim, tenho problemas em deixar livros pela metade e esses abandonos aconteceram na adolescência -, mas apesar de o livro não ser como Eleanor e Park, que te segura pelo coração e você sequer consegue piscar os olhos até terminar, é uma boa leitura.

Pequeno Spoiler
Pra mim, um dos pontos altos do livro é a história de Terri. Se você já leu, tá me perguntando “Terri? Sério? Demorei até uns segundo tentando lembrar dela”. Sim. Terri. Ela é uma viciada em heroína que só dá cagada do início ao final do livro, algumas horas despertando pena, outras ódio, outras desprezo. Bem, Terri é um ótimo exemplo dessas pessoas que a gente vê todo dia e simplesmente julga, porque é fácil julgar as pessoas. “Mas ela é uma prostituta viciada”, é mesmo, é retratada assim durante todo o livro. Perdeu filhos, perdeu família, é detestada pelos vizinhos, recebe qualquer tipo dentro de casa e os filhos que moram com ela passam por situações deploráveis.

No final do livro Rowling conta a história de Terri e isso mexeu muito comigo. Os abusos sofridos pelo pai, as vezes em que acreditou estar salva e protegida, em seguida sendo levada de volta para o “inferno” em que vivia, bem, talvez por estudar psicologia eu tenha ficado mais aberta para causas e efeitos. Não, não estou dizendo que nada daquilo é justificável, não estou defendendo Terri. Só estou dizendo que Rowling é uma ótima escritora e que, na grande maioria da vezes, há mais coisas entre o céu e a terra do que pode imaginar nossa vã filosofia.

Então, por ter me permitido ver dois lados da moeda, ter me feito detestar alguns personagens e gostar de outros, Morte Súbita leva 4 canecas. Seriam 3, mas acabei de mudar de ideia.

4x

TAG: livros!

A Bru me indicou pra responder essa tag sobre livros lidos em 2014 e as perspectivas para 2015. Eu adoro livros, eu adoro tags, então não preciso nem dizer que vou adorar responder isso aqui, né?

2014

1. Um livro que te surpreendeu em 2014?
Extraordinário. Um dos livros mais lindos que li na vida!

untitled2.  Um livro que te decepcionou em 2014?
Guia Politicamente Incorreto da Filosofia. Totalmente diferente do que eu esperava.untitled

3. A melhor adaptação que você viu em 2014?
Um dia. Não que chegue aos pés do livro, mas é legal. ❤

untitled4.  Um livro que não conseguiu terminar em 2014?
Eu quase abandonei A arte da felicidade, mas consegui terminar depois de muito esforço.
untitled

5. Quantos livros você conseguiu ler em 2014?
27
. Um recorde na minha vida.

2015

6. Um livro que você está ansiosa para o lançamento em 2015?
Nenhum. Pretendo terminar todos os não lidos que estão na estante antes de pegar algum novo, assim como fiz ano passado.

7. Um (ou mais) desafio que se dispôs a participar em 2015?
Reading Challenge. Saiba mais sobre ele aqui.

8. A adaptação mais aguardada por você em 2015?
Para sempre Alice
. Li o livro há tempos e gostei demais. O filme tá previsto para fevereiro e eu fiquei super feliz de ver que Julianne Moore vai fazer o papel de Alice. para sempre

9. Uma leitura que pretende retomar em 2015?
Quando Nietzsche Chorou
e O Mundo de Sofia foram os dois livros que abandonei na vida. Já me prometi terminar os dois. Vai que 2015 me ajuda. (;

10. Três livros da sua Meta para 2015?
Morte Súbita, Fangirl e Espero Alguém.
untitled

Para responder a tag, indico:
Ana Carô Amaral
Uma cadeira, por favor
Gosto de Canela

365 Dias Extraordinários

No livro Extraordinário – se você não leu, vá fazer isso agora, por favor – temos o prazer de conhecer o Sr. Bowne, professor de August, que fala da importância de cultivarmos bons preceitos, como eles são capazes de nos inspirar no dia a dia e nos ajudar em diversos momentos. No livro o Sr. Bowne pedia para que, nas férias, os alunos lhe enviassem seus próprios preceitos e em 365 Dias Extraordinários ele conta o resultado desse pedido.

IMG_0540Em 365 Dias Extraordinários, R. J. Palacio lista 365 preceitos a serem seguidos, sendo cada um direcionado a um dia específico do ano. Os preceitos que estão no livro foram tirados de músicas, obras literárias, inscrições de tumbas egípcias, frases de biscoitos da sorte, de personagens de Extraordinário e de alguns leitores que enviaram à escritora, e praticamente todos os preceitos buscam celebrar a gentileza.

01Entre os meses há sempre um texto escrito pelo Sr. Bowne, onde ele fala sobre seu passado, suas motivações, experiências, além de trazer algumas conversas com alunos como Auggie e Julian, e é lindo ver como esses textos passam mensagens tão ou mais importantes que os próprios preceitos.

05O livro é lindo, rapidinho e cheio de amor. Vale a pena cada página.

03 04 06365 Dias Extraordinários {O livro de preceitos do Sr. Bowne} foi lançado pela editora Intrínseca e custa em média R$30.

5 xNota: 5 canecas de chocolate quente

Alta Fidelidade

Está no ar a primeira leitura de 2015! O ano começou com Alta Fidelidade de Nick Hornby e deixa eu te contar, não poderia ter começado melhor.

IMG_0242Alta Fidelidade conta a história de Rob, que aos 35 anos, depois de levar um pé na bunda da namorada, resolve fazer uma lista dos seus 5 términos de relacionamentos mais memoráveis de todos os tempos, aqueles que ele levaria para uma ilha deserta. Muito maduro, ele resolve deixar Laura – a ex-namorada – de fora dessa lista por pura vingança. Maturidade, vejam.

altafidelidade3O livro é narrado pelo próprio Rob, fanático por música, largou a faculdade, nunca se casou, dono de uma loja de discos que está quase falindo, seus únicos amigos são os dois funcionários da sua loja – Dick e Barry, dois também fanáticos por músicas que não sabem lidar com nenhuma conversa pessoal – e bem… Rob é um completo babaca e sua vida tá uma droga, talvez pelo simples fato de existir justiça no mundo.

Laura, a ex, é uma advogada bonita e bem sucedida que resolve dar o pé em Rob, e como o livro é narrado por ele, inicialmente é até possível que você fique do lado dele, mas não se preocupe, isso passa rapidinho quando ele começa a contar o que realmente aconteceu. Daí você acha ele um babaca maior ainda, mas isso é amenizado em seguida.

altafidelidade1Vou ser sincera, não estava esperando muita coisa do livro. Já tinha visto partes do filme – que ainda não vi completo – e sei lá, nunca me prendeu. Uma coisa linda na vida é a falta de expectativa, viu? Porque o livro foi uma grande e grata surpresa.

altafidelidade2O livro flui, a história prende a atenção e a narração é demais. Foi ótimo acompanhar o amadurecimento de Rob do começo ao fim do livro, ver como suas prioridades, atitudes e pontos de vista mudam, como ele evolui. Foi ótimo ver que um babaca pode deixar de ser babaca um dia. Ajuda a ter mais fé no mundo, sabe? E acho que nunca tinha lido um romance do ponto de vista masculino (pelo menos não lembro de nenhum agora), a acidez e o sarcasmo vem em grandes doses e eu, particularmente, gosto muito. Além disso o livro tem trilha sonora – afinal, se passa numa loja de discos -, Rob, Dick e Barry vivem fazendo listas, e são feitas várias referências a filmes também.

Alta Fidelidade foi lançado pela Companhia das Letras e custa aproximadamente R$30. O filme já roda por aí há tempos e se você não viu – como eu -, pode conferir o trailer aqui. Vou ali assistir o filme e depois conto o resultado pra vocês.

Alta Fidelidade leva a nota máxima por aqui: 5 canecas de chocolate quente.5 xBoa leitura! 😉